Adema conduz Audiência Pública para licenciamento de usina fotovoltaica em Canindé

Etapa consiste na apresentação do Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) e diálogo com população do município

A Administração Estadual de Meio Ambiente de Sergipe (Adema) presidiu audiência pública na Câmara de Vereadores de Canindé de São Francisco, com o objetivo de apresentar à população local o Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) da Usina Fotovoltaica que será implantada no município. Sob responsabilidade da empresa Energias do São Francisco (Enesf), o empreendimento é composto por quatro parques solares, que serão distribuídos em uma área aproximada de 3,2 mil hectares, englobando 22 fazendas prospectadas.

Cumprindo uma etapa do processo de licenciamento, a audiência pública tem por objetivo dirimir dúvidas e ouvir a população residente na área impactada pela implantação da obra. Em Canindé, o momento foi crucial para que os moradores da região pudessem saber mais sobre as principais características do empreendimento e os possíveis impactos que poderão ser percebidos nas fases de planejamento, implantação e operação. O momento também serviu para a apresentação de ações mitigadoras e compensatórias, programas ambientais, entre outras medidas a serem adotadas pela empresa.

O diretor-presidente da Adema, George Trindade, destacou a importância de estabelecer um diálogo com a população de Canindé, dando-lhes a oportunidade de conhecer, opinar e debater sobre o empreendimento. “A Adema cumpre o seu papel, enquanto órgão licenciador ambiental, presidindo essa audiência pública, que faz parte do processo para a obtenção da licença prévia. Neste dia, apresentamos à sociedade, aos munícipes de Canindé de São Francisco, o estudo e relatório de impacto ambiental, e pudemos ouvir as suas reivindicações, a fim de que a Adema possa concluir os estudos para análise e apreciação da melhor forma possível, dentro da técnica e da legislação vigente”, disse.

Aspectos relacionados ao cronograma da obra, diagnóstico e avaliação de impacto ambiental, levando em consideração o meio físico e biótico com a caracterização da flora e da fauna, além do meio socioeconômico, foram tratados durante a audiência pública. De acordo com o coordenador do projeto da usina, Liu Ming, esta etapa é vital para o processo de licenciamento ambiental.

“Demos um passo importante para avançar no licenciamento ambiental, etapa que contou com a participação de técnicos comprometidos e que deram um suporte essencial para esse trabalho de avaliação de impacto. A audiência pública também é um momento para que a população possa sugerir melhorias na parte socioeconômica e nos estudos ambientais, além de mostrar que o empreendimento só vai para a frente considerando todos estes fatores que são importantes para implantação desse grande projeto”, declarou.

O complexo vai compreender uma área que engloba a Fazenda Santa Fé e outras 21 fazendas localizadas no povoado Canabrava, zona rural de Canindé de São Francisco. A consultora ambiental da UFV-CSF, Gabriela Andrade, reforça que ouvir a comunidade torna o processo ainda transparente e objetivo. “É um momento de entendermos as dores dessa população, tendo em vista que a questão social não pode estar dissociada da questão ambiental, o meio ambiente não é só ecologia, ele tem uma relação tríplice com o social e o econômico, um auxilia o outro. Então, ouvi-los faz com que tragamos métodos de geração de emprego, melhoria no quantitativo e, desta forma, ajudar a todos de maneira geral”.

Segundo a consultora, somente no processo de instalação, serão criados mil postos de trabalho diretos e indiretos. Por isso, a geração de emprego e renda, sobretudo a qualificação profissional, foram amplamente discutidas durante a audiência. Para o agricultor José Luiz dos Santos, morador do povoado Canabrava, é importante que os moradores da comunidade sejam priorizados durante o recrutamento de mão de obra, principalmente os jovens. “Temos muitos jovens no nosso povoado que precisam de emprego. Esse momento será importante para que eles consigam um trabalho nessa área”, opinou o morador.

Após esse momento de diálogo, a população ainda pode apresentar outras manifestações, que devem ser entregues pessoalmente no Protocolo da Adema ou encaminhadas por meio de carta registrada, no prazo de dez dias úteis contados a partir da data da audiência.

Sobre o empreendimento

Abrigando uma capacidade instalada de 1.200.00 KW, a estimativa é que, quando em operação, o Parque Fotovoltaico Canindé de São Francisco produza energia suficiente para suprir a demanda de 1.350.000 residências brasileiras. Prevista para acontecer em quatro etapas, a execução do projeto deve ser concluída em 2030, com a instalação de cerca de 2.280.000 placas solares que produzirão energia, enviando para o Sistema Interligado Nacional (SIN).

Última atualização: 3 de outubro de 2023 11:28.

Pular para o conteúdo