Um número significativo de animais silvestres voltou para o habitat natural este ano em Sergipe, graças ao trabalho do Governo de Sergipe. Entre 02 de janeiro e 16 de setembro, técnicos da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), efetuaram a avaliação e tratamento de 36 espécies, totalizando 159 resgates, 188 entregas voluntárias e 229 apreensões. Os resgates e recuperações de animais silvestres estão entre os serviços mais solicitados a Adema.

É com base nas informações recebidas que os profissionais vão até os locais citados e executam a apreensão. Existem caso de animais mantidos em cativeiro, resgatam em vias públicas, residências ou estabelecimentos comerciais, em todas as situações uma equipe da Adema os recolhe, além disso há situações de entregas voluntárias. Em poder dos profissionais qualificados, eles passam por uma avaliação e caso precisem vão para tratamento veterinário para serem liberada à natureza estando saudáveis.

Esse tratamento acontece no Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas), que é administrado pelo Ibama, podendo durar de poucos dias a meses. “Essa parceria com o Ibama é muito importante, ele cede o espaço para nós da Adema realizarmos o tratamento veterinário nas espécies que são apreendidas e resgatadas, fazemos avaliação nutricional e em seguida iniciam o processo de reintrodução à natureza, em contrapartida os técnicos da Adema cuidam dos animais do Ibama também”, explicou o veterinário da Adema, Daniel Allievi.

São vários tipos de aves (andorinhas, carcarás, corujas, gaviões, papagaios e periquitos), diversas espécies de cobras (caninana, cipó, coral, jiboia, cobra d?água), além de capivaras, cágados, guaxinins, jabuti, jacarés, macacos, raposas, sariguês, tamanduás, veados, entre outros. “É muito bom poder contar com o apoio da população que cada vez mais se conscientiza de que é necessário cuidar e preservar a fauna e, nos ajuda não apenas com as informações sobre animais encontrados nas vias públicas e mantidos em cativeiro, como também na entrega voluntária”, ressalta o veterinário, Daniel.

Alerta

Baseado na Lei 9605/1998, que criminaliza de maneira efetiva as condutas nocivas ao meio ambiente e deixa claro que é proibido apanhar, caçar, perseguir, matar e utilizar-se de qualquer tipo da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória sem a devida permissão, licença ou autorização das autoridades competentes, a Adema endossa o artigo 29, que trata dessas proibições e esclarece à população que ao encontrar qualquer tipo de animal silvestre não tente manuseá-los ou abatê-los, sendo prudente entrar em contato com a equipe do órgão ambiental através do telefone 79 3198 7190.

  Fotos