Adema vistoria área que deverá abrigar o Complexo Solar Nova Sergipe, em Canindé

Técnicos avaliam condições do local para a instalação do empreendimento, considerando recursos naturais e a presença de áreas de preservação permanente e reserva legal

A equipe da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) esteve no município de Canindé de São Francisco, no alto sertão sergipano, para realizar uma vistoria na área onde está prevista a instalação do Complexo Solar Nova Sergipe. Nas proximidades do povoado Capim Grosso, oito parques fotovoltaicos deverão ser implantados pela Atiaia Energia, numa área aproximada de mil hectares. Nesse tipo de vistoria, a Adema avalia as condições do local para a instalação do empreendimento, considerando vegetação, recursos hídricos e infraestrutura, além de verificar a existência ou não de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e Reserva Legal (ARL) na extensão do terreno.

De acordo com Alessandro Bezerra, fiscal da Adema, foi verificado que, no local, parte da vegetação é nativa e outra é constituída por pastagem. “Tem uma parte de vegetação nativa e uma outra parte já bastante antropizada [cujas características originais foram alteradas] que é utilizada para pasto. Essa área é favorável por ser plana, com pouca vegetação, sendo propícia para a instalação do empreendimento. Também encontramos torres de transmissão em todo o terreno onde o empreendimento vai ser instalado e um rio cortando parte da área, que tem mata ciliar preservada e vai servir como Reserva Legal para este empreendimento”, detalhou.

No último dia 31 de agosto, a Adema participou e presidiu a Audiência Pública para apresentação do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA do empreendimento – uma das etapas do processo de licenciamento ambiental de empreendimentos dessa natureza, conforme estabelecido na Resolução CONAMA nº 009/1987 e na Resolução CEMA nº 21/2009, com o objetivo sanar dúvidas e ouvir a população residente na área impactada pela implantação da obra.

Sobre o projeto

O projeto do Complexo Solar Nova Sergipe conta com uma área aproximada de mil hectares e prevê R$1,5 bilhão em investimentos. Segundo a empresa, o município de Canindé foi escolhido pela sua viabilidade técnica, por ser privilegiado pela irradiação solar, atributo essencial para a geração de energia solar. A estimativa é que o Nova Sergipe produza 400 megawatts de energia por hora, gerando abastecimento para cerca de 1.800.000 pessoas com energia limpa.

De acordo com a empresa, a previsão é que a obra seja realizada em cerca de 30 meses, com uma média entre 70 e 75% de absorção de mão-de-obra de moradores do município – um projeto ambientalmente positivo para o estado, com boa capacidade de geração de emprego e renda para a população.

Última atualização: 2 de outubro de 2023 13:26.

Pular para o conteúdo