Capivara é resgatada pela Adema na Zona Sul de Aracaju

Espécie comum em áreas de rios, lagos e áreas alagáveis estava perdida no Bairro Orlando Dantas

Uma equipe de fauna da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) foi acionada para fazer o resgate de uma capivara (Hydrochoerus hydrochaeris) que se encontrava desorientada em uma rua do Conjunto Orlando Dantas, na Zona Sul de Aracaju.

Ao chegar no local, especificamente na Rua A7, os agentes do órgão ambiental solicitaram reforço da Polícia Militar, visto que um cidadão alcoolizado que também estava na área, tentava atrapalhar a ação de resgate, tendo sido enviada logo depois uma viatura policial a fim de proteger a integridade física da equipe.

Após a avaliação clínica pelos profissionais, constatou-se tratar de uma jovem fêmea, que estando apática, desidratada e desnutrida, foi encaminhada ao Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas), localizado no Parque da Cidade, para receber o tratamento necessário.

Segundo o médico veterinário da Adema, Daniel Allievi, a espécie que costuma andar em bandos, pode ter vindo de matas próximas ao conjunto residencial onde foi encontrada. ”A capivara é um animal comum da região, uma vez que a cidade de Aracaju possui alguns rios e lagos que facilitam o desenvolvimento e o deslocamento desses animais. O mamífero resgatado  permanecerá em quarentena no Cetas, em que será observado se durante esse período outros sintomas ou enfermidades surgem, e, após os devidos cuidados clínicos e quando estiver apta, ela será liberada em área de preservação ambiental”, explicou.

Adema e Seagri se reúnem para discutir projeto de licença de casas de farinha

Projeto prevê licença de regularização de operação para as casas de farinha no Estado

Em razão do Estado de Sergipe possuir uma grande quantidade de casas de farinha sem licenciamento, fato este que desqualifica o recebimento de uma licença simplificada, levando-se em consideração diversas exigências que muitas vezes não se aplicam aos produtores já instalados, equipes da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) se reuniu com profissionais da Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural para discutir sobre o projeto de licença das casas de farinha.

De acordo com o Diretor-presidente da Adema, Gilvan Dias, o objetivo é dar agilidade no processo de regularização “O intuito do projeto é dar a oportunidade para que esses feitores não percam a garantia de sobrevivência dos trabalhadores e regularizarem esses estabelecimentos de forma que se encaixem na forma de licenciamento exigida”, explicou.

Para a fase inicial do projeto, visitas às casas de farinha estão sendo realizadas a fim de observar a situação de todas elas, bem como as questões passíveis de alteração nos empreendimentos.

Além da discussão e compartilhamento do processo, durante a reunião em que participaram, o Diretor Técnico da Adema, Howard Alves Lima, a coordenadora de fiscalização, Rosana Barreto, o coordenador da Grande Aracaju, Dirceu Benjamin Reis, a técnica da CGA, Maria dos Santos, a assessora da Seagri, Amanda Varela, a fiscal ambiental da Adema, Fabiana Alves e o coordenador dos Territórios Sul e Centro Sul do Estado pela Adema, José Rocha, foram debatida futuras pautas.

Tamanduá-mirim presa em poste é resgatada pela Adema

Corpo de Bombeiros auxiliou o resgate do animal que encontrava-se próximo a fios de alta tensão

Uma equipe de fauna da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), efetuou o resgate de uma Tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla) no povoado Porto Grande, localizado no município de Nossa Senhora do Socorro, Território da Grande Aracaju.

A ação foi realizada em conjunto com o Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe, pois o animal encontrava-se próximo a um fio de alta tensão no alto de um poste. De acordo com o veterinário da Adema, Daniel Allievi, a espécie é típica da região. “É um animal muito comum em regiões de mata fechada, provavelmente saiu do seu habitat à procura de alimentos e pequenos insetos, a exemplo de formigas e cupins, e terminou por escalar o poste, sem depois conseguir descer”, explicou.

Após a avaliação clínica, constatou-se tratar-se de uma espécie fêmea, aparentando sinais de fraqueza. O animal foi nutrido, medicado e posteriormente encaminhado ao Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas), onde receberá tratamento adequado, e, quando estiver apto, será reinserido na natureza.

O órgão ambiental reafirma para a população a importância de não manipular animais silvestres, pois o contato sem a constatação do seu estado sanitário, pode ser prejudicial à saúde. Em caso de avistar espécimes em situação de risco, o cidadão deve entrar em contato através do número (79) 99191 5535 e solicitar o resgate.

Equipe de fauna resgata animais silvestres no fim de semana

Iguana, tamanduá-mirim e socó-boi foram avaliados clinicamente pelos profissionais

No último fim de semana, as equipes de fauna da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) foram acionadas para efetuarem o resgate de animais silvestres na capital e no município de Nossa Senhora do Socorro, no Território da Grande Aracaju.

No bairro Industrial, Zona Norte da cidade, a equipe resgatou uma iguana (iguana iguana) que encontrava-se escondida dentro de um fogão, na cozinha de uma residência. Na avaliação, constatou-se que era um réptil juvenil, pesando aproximadamente 150 gramas e medindo 70 cm de comprimento. Por estar saudável e sem nenhum problema, o animal foi solto em área de reserva ambiental.

Ainda na Zona Norte, porém no bairro Porto D’anta, os profissionais do órgão resgataram um Tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla) que havia sido contido dentro de uma lavanderia em uma residência. Feita a avaliação clínica, o mamífero não apresentava nenhum de tipo de lesão e foi posto à soltura em área de reserva ambiental.

Nas dependências de um condomínio residencial do Conjunto Fernando Collor, no município de Nossa Senhora do Socorro, uma das equipes efetuou o resgate de um Socó-boi (Tigrisoma lineatum). Após a avaliação clínica, foi constatado que apesar de ativa e saudável, a ave estava com dificuldades para voar, tendo sido encaminhada ao Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas), no Zoológico localizado no Parque da Cidade, onde receberá os cuidados necessários.

A Adema orienta à população que ao encontrar algum animal silvestre, deve manter contato com a equipe plantonista do órgão através do telefone (79) 99191 5535. O mesmo se aplica para a entrega voluntária ou denúncia de animais mantidos em cativeiro sem a devida licença ambiental ou que estejam sofrendo maus tratos, ressaltando que a identidade do denunciante será preservada.

Adema adquire drone para auxiliar nas fiscalizações e atividades

Equipamento possibilita sobrevoar e filmar áreas de difícil acesso

A fim de aprimorar as atividades das equipes de fiscalização, bem como garantir agilidade nos processos de licenciamento, a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) adquiriu um drone Mavic Mini.

Apelidado de ‘Gaza 02’, o aparelho possui uma boa portabilidade e compacticidade, facilitando o transporte e o deslocamento, bem como  é capaz de alcançar áreas de difícil acessibilidade. Além disso, o equipamento possui maior estabilidade e possibilita imagens com maior precisão, mostrando assim novas perspectivas e panoramas do objeto a ser filmado ou fotografado.

De acordo com Diretor-presidente da Adema, Gilvan Dias, o aparelho facilitará algumas ações do órgão. “Com esta aquisição, a Adema demonstra o compromisso em melhorar as questões ambientais, ampliará o trabalho dos profissionais e trazer soluções mais rápidas para os problemas e operações que necessitem de maior cuidado”, explica.

Zoológico é reaberto para visitação

Espaço estava fechado desde o dia 28 de maio

Após 40 dias fechado em razão do aumento dos casos de Covid-19, o Zoológico de Aracaju, localizado no Parque da Cidade, na Zona Norte da capital, foi reaberto para visitação.

O espaço voltou a funcionar no sábado (10), das 9h às 16h, de sexta a domingo. No entanto, com todos os protocolos de segurança recomendados pela Organização Mundial da Saúde, sendo obrigatório o uso de máscaras de proteção, além da disponibilização de álcool em gel na entrada e em outros pontos do parque.

O Parque da Cidade é uma das mais belas vistas de Aracaju, possui mais de 213 hectares e abriga o zoológico da cidade com 400 espécimes de animais silvestres, e é administrado pela Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema).
Além de ser localizado na última reserva de Mata Atlântica da Capital, é um espaço adequado para caminhadas e observação da diversidade da Fauna.
O Governo do Estado reforça que o objetivo do Zoológico não se restringe a visitação e lazer, mas abrange estudos, pesquisas e é uma peça fundamental na manutenção da conscientização pelo respeito à fauna e meio ambiente.

Última atualização: 13 de julho de 2021 14:10.

Pular para o conteúdo