Após passarem por processo de reintrodução monitorada, os 28 caititus (Pecari tajacu) transferidos do zoológico de Aracaju em novembro do ano passado para o Centro de Tratamento de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangará), foram reinseridos na natureza.

A ação resultante da parceria entre a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) e a Agência Estadual do Meio Ambiente (CPRH) foi finalizada com sucesso e comemorada por todos os profissionais envolvidos.

Durante a ação foi utilizado o método de soltura branda, a fim de que os mamíferos aos poucos fossem se adaptando ao local e também para que os filhotes não fossem deixados para trás por suas mães durante o processo.

O método escolhido pelos profissionais consiste em uma soltura gradativa em que os animais são confinados em um viveiro no ambiente natural, e, à medida em que eles vão amenizando o estresse, ganham liberdade na natureza. Apesar de ter sido um processo delicado, ao final, todos os caititus saíram e os filhotes conseguiram acompanhar suas mães.

Após a abertura do acesso dos animais à área de soltura, a equipe do Projeto Serra Grande e os técnicos da CPRH, que vem dando suporte nos procedimentos estão acompanhando diariamente o desenvolvimento e adaptação desses mamíferos na busca por alimentos e abrigo, por meio do uso de armadilhas fotográficas que são espalhadas pela mata.

De acordo com a bióloga Aline Borba, que esteve à frente do processo, o procedimento foi estudado por seis meses pelos profissionais de ambos os órgãos. “Tivemos a ideia de desenvolver esse projeto e o Diretor-Presidente da Adema acatou e autorizou a sua realização. O projeto foi estudado durante seis meses pelos profissionais dos dois órgãos ambientais visando garantir o bem-estar dos mamíferos. Apesar do processo delicado durante o desenvolvimento dos trabalhos, conseguimos alcançar os resultados que almejávamos”, afirmou.

Última atualização: 6 de abril de 2022, 16:02 PM