Comitê do Plano de Área de Sergipe discute estratégias em situações emergenciais

Na manhã desta terça-feira (17), a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) reuniu diversas entidades ambientais, empresas que operam em áreas próximas ao litoral e rios, como também a Capitania dos Portos de Sergipe. O objetivo foi dialogar sobre a atuação em situações emergenciais, como a ocorrida no último sábado, dia 14, e, também, incluir a empresa Mosaic no Comitê de Plano de Área de Sergipe, visto que, até o momento, ela não havia declarado que atuava com atividades potencialmente poluidoras.

A reunião estava prevista para o dia 24 de abril, porém, com o acidente ocorrido na praia de Jatobá, município de Barra dos Coqueiros, a comissão antecipou a data, visando esclarecer algumas questões e, consequentemente, estabelecer novas ações.

Segundo o técnico ambiental da Adema, Benjamim Reis, esse plano de área foi iniciado há cerca de dois anos, tendo o IBAMA na coordenação do comitê. “Ainda não tínhamos incluído a Mosaic porque, até a ocorrência de sábado, ela não apresentava potencial de emissão de substância oleosa no mar. Com essa ocorrência, nós convocamos esta reunião extraordinária para tratarmos desta e inclui-la em nosso grupo de ação. O plano de área atuará em condições de sinistros, de manchas oleosas no mar — identificadas ou as chamadas órfãs (quando não há a identificação da origem). Tem, ainda, o objetivo de estabelecer quais as ações serão tomadas em anormalidades como essa. A ideia, em suma, é unificar todas as instituições e empresas em um trabalho conjunto”, explica.

Durante reunião, foi confirmada a existência de 3 emissários no litoral de Sergipe — pertencentes as empresas Petrobras, FAFEN e Mosaic. Por conta disso, os membros da comissão decidiram incluir os operadores destes setores ao comitê. O objetivo é facilitar a identificação e localização de compostos de óleo nesses equipamentos, impedindo, desta forma, que compostos poluentes sejam lançados ao mar.

Ainda no decorrer do encontro, foi comprovada a responsabilidade da Mosaic no processamento do insumo recebido pela Petrobrás.

O IBAMA informou que irá avaliar a participação da Mosaic no Plano de Área, pois, como a empresa não havia se declarado como atividade potencialmente poluidora para lançamento de óleo no mar, foi necessário a realização desta reunião extraordinária como forma da empresa prestar alguns esclarecimentos.

Apesar de ter sido convocada, a empresa Mosaic não enviou nenhum representante. Contudo, se comprometeu em, até a próxima sexta-feira, dia 20, enviar o relatório das ações desenvolvidas, como também formas de inclusão no Plano de Área de Sergipe.

Última atualização: 1 de novembro de 2018 07:20.

Pular para o conteúdo